LOGO Xerimbabo Padrão Fundo Preto.jpg

Criadouro Comercial de Fauna Silvestre

Reg. IBAMA 434325 – AM/SEMAS 301509


Estrelas.png
MARCAÇÃO

 

Estrelas.png

De acordo com o parágrafo 1o do Artigo nº 10 da Portaria nº 117/97, os animais comercializados deverão possuir sistema próprio de marcação. Para répteis o IBAMA, em sua Instrução Normativa nº 02 de 02 de março de 2001, no parágrafo 1o do Artigo nº 2, determina que seja utilizado o sistema eletrônico (Microchip ou Transponder) em ofídios, já que não há possibilidade de outro sistema externo de marcação.

 

O Sítio Xerimbabo utiliza microchips da empresa AnimallTag®  os quais são implantados na região subcutânea do terço posterior do corpo da serpente, no lado direito, cerca de dez (10) centímetros à frente da cloaca. Esta região foi estabelecida por estar distante da boca da cobra, o que garante maior segurança no momento da leitura, e por ser uma região não envolvida no ato de constrição (aperto) no momento da captura das presas, minimizando o risco de possível deslocamento ou danos ao microchip.

 

A implantação de microchips subcutâneos é um sistema de marcação eletrônica permanente bastante seguro e amplamente utilizado atualmente, mesmo em animais doméstico, como cães e gatos. Segundo a AnimallTag® “Os microchips são produzidos com um material chamado biovidro, que não causa danos à saúde dos animais. Além disso, seguem as normas internacionais da ISO, que lhes garantem serem lidos no mundo inteiro.”

 

Cada microchip, que mede 12 mm de comprimento e 2 mm de diâmetro, possui uma seqüência única de 15 dígitos numéricos, o que garante sua unicidade mundial, ou seja, não existe no mundo dois microchips com a mesma numeração. A identificação é feita por um equipamento (leitora) que lê microchips ISO 11784 FDX-B, de 134,2 Khz.